10 pontos para trabalhar sua imagem positiva

Já sabe que desde o meu cantinho fitness tento te ensinar a lutar por um corpo saudável, ágil, fit, mas sem perder o norte. Uma semana mais te redescubro princípios, ensinamentos e motivações que encontro na corrente#positiveBody que arrasa nos Estados Unidos e que nos ajuda a tentar deixar de se encaixar em estereótipos que, por genética, estilo de vida ou, simplesmente, porque não, nos empurra a ser quem não somos. Este exército de mulheres, orgulhosas de suas estrias, celulite, barriga ou curvas tem muito que nos ensinar. E isso me disponho a fazer, ajudá-lo, da mesma forma que me ajudou a mim este verão com “a foto do verão”.


A primeira coisa que devo de confessar é que por muito que lute e faça desintoxicação digital, estou sempre atenta ao Instagram! Até me ponho deveres: “eu não vou subir nada em uma semana” ou “quando estiver de férias com a minha família eu não vou abrir a aplicação”. Como você pode imaginar carrego um pouco no meu propósito, embora eu também tenha de ser consciente de que cada dia estou mais aliviado.


Se neste verão, houve um posou essencial foi o de “eu com a minha bunda perfeita em traje de banho de vigilantes da praia diante de um mar azul-turquesa”. Não sei você, mas 95% das pessoas que sigo o fez. Consciente de meus famosos muslitos de frango, minhas cartucheiras e o meu corpo de Vênus de Willendorf, me obsesionaba (sim, um pouco triste) não ter foto das paradisíacas praias de Formentera com meu culete (não tamanho 36) em primeiro plano.


E lá estava ele, o ano seguinte, do canal fitness e de corrente, posição do corpo, pensando que não ia ter a foto do verão. Um dia, eu liguei para o fim. Tinha que não só asumirme, mas que tinha que começar a pregar com o exemplo. E assim o fiz, e sentada no bar, com a minha cerveja na mão me roubaram uma foto de biquíni minhas amigas, a primeira “com carnes ao descoberto” do verão e a primeira de minha história de #positivebody. Nesse dia começou a minha pequena luta que te convido-te umas, simpatices ou simplesmente respeite.


Mas para as que, como eu, vivem em luta constante do corpo e de quererle simplesmente é maravilhoso, é este decálogo:



  1. Realiza-se todas as coisas incríveis que o seu corpo faz por você: correr, dançar, respirar, rir, sonhar, etc.

  2. Salva uma lista de dez coisas que você mais gosta de si mesma, coisas que não estão relacionadas com o peso ou a imagem transmitidos. Leéla com frequência.

  3. Lembre-se que a “verdadeira beleza” é um estado mental, não um tamanho, o peso, uns abdominais ou qualquer medida estética que busquemos.

  4. Olhe-se como um conjunto. Quando nos olhamos no espelho, sempre vamos olhar para esse ponto que mais detestamos. Escolha a não se concentrar em partes específicas do corpo. Descúbrete como um conjunto maravilhoso de corpo e personalidade. Uma pessoa não é apenas o seu físico.

  5. Cerque-se com pessoas positivas. É mais fácil se sentir bem quando está perto de outras pessoas que te apoiam e que reconhecem a importância de se sentir plena.

  6. Desligue esses pensamentos negativos que colocam a lupa que acha defeitos. Não são, faze o favor de desligar essa pequena voz tóxica e negativa.

  7. Use a roupa que faça sentir-se bem com o seu corpo. E não sofras se não se sentir bem, haverá outras tantas coisas que sim.

  8. Cuida e mima o teu corpo, não só para reduzir a celulite, mas o fato de cuidarle. Mímale com uma hidratação profunda ou uma esfoliação aromatizadas.

  9. Pesquise e leia frases motivadoras. Se você não sabe onde eu te irei resgatando semana a semana, como a que eu coloquei no artigo: “Preciso ser mais magra, mais bonita, mais rica (isso iria riscar, mas não se pode fazer com este editor de textos). Você precisa querer-te a ti mesma”.

  10. Atualize suas Redes Sociais e começa a observá-las com perspectiva e, se quiser, coloque #positiveBody. Você verá que há um mundo de mulheres maravilhosas sob esse guarda-chuva.