5 dicas para cuidar dos pés no verão

Rate this post

Com a chegada do verão, os pés, acostumados a levar meias e calçado fechado durante tanto tempo experimentam uma mudança drástica. Diante desta situação, os especialistas lembram que são uma das pontas que mais sofrem nos dias de praia e recomendam prestar um cuidado especial nos meses de verão.


Com o fim de evitar que se resientan, o Colégio Oficial de Podólogos do País Basco lançou cinco dicas básicas:


1. É muito importante hidratar de forma adequada os pés e não andar descalço em piscinas ou casas de banho públicas. Os pés ficam expostos ao sol, pela primeira vez, em cerca de dez meses. Situação que os torna especialmente vulneráveis às queimaduras.


Além disso, deve-se prestar especial atenção ao dorso do pé, já que é uma zona que costuma deixar-se desprotegida e pode requerer proteção através de cremes e protetor solar para evitar queimaduras na pele. Na medida do possível, não há que caminhar descalço em piscinas ou banhos públicos, porque são lugares de contágio potenciais de fungos ou outras patologias.


2. Usar calçado com a fixação no tornozelo e bem ventilado. O melhor calçado para esta estação seriam chinelos e sandálias sujeitas ao pé. Grande parte do calçado usado nesta época estival não reúne as características necessárias para os pés: falta de fixação ou solas muito finas.


3. Não deixar de usar meias de maneira brusca e aplicar produtos antitranspirantes. Ao abandonar os meias, o pé fica mais exposto a atrito e bolhas, já que a meia de algodão absorve a umidade do pé gerada pela transpiração e evita a maceração do mesmo. Por outro lado, com o calor aumenta a transpiração corporal e, especialmente nos pés. Esta situação pode ser prevenida usando produtos antitranspirantes. Um podólogo pode aconselhar qual é o ideal para as diferentes características.


4. Cortar as unhas sempre retas e não agir sobre a pele com objetos pontiagudos ou cortantes. Na hora de cortar as unhas, o mais recomendado é cortá-los em linha reta, evitando arredondar os cantos, já que assim se evita, na medida do possível, que se claven ou causem dor. Por outro lado, desde o Colégio Oficial de Podólogos do País Basco explicam que, no caso de pacientes diabéticos ou com problemas graves de circulação sanguínea nas extremidades inferiores, devem evitar a todo custo o aparecimento de feridas nos pés.


5. Evitar sola plana e optar por saltos. Os sapatos baixos falta de elementos que permitam o amortecimento dos choques que se produzem ao caminhar, de forma que o pé recebe impactos continuamente. Por isso, o recomendado é usar sapatos com um salto de 2 a 3 centímetros, no máximo, já que, desta forma, reduzir os impactos e melhorar a posição do pé e do corpo, tanto no andar como ao permanecer de pé.