6 dicas que irão ajudá-lo a parar de fumar

Atualmente, existem mais de 1.000 milhões de fumantes de todo o mundo, um número nada desprezível, se se tiver em conta que se trata de adictos ao tabaco, melhor dito, são vítimas da epidemia de tabagismo. Não há que esquecer que o tabaco contém nicotina, uma droga tão viciante quanto a heroína e a cocaína, e, portanto, a pessoa dependente vê-se forçado de uma forma biológica a fornecer repetidamente a mais doses.


Isso há que tenha claro na hora de tentar parar de fumar, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), que afirma que “a maioria dos consumidores de tabaco são viciados em nicotina e é difícil deixá-la por sua própria iniciativa”.


Não há nenhuma dúvida de que parar de fumar é o melhor que podem fazer com que os consumidores de tabaco para proteger a sua saúde e a de outras pessoas. Por isso, é importante que estejam conscientes de que os riscos de fumar e os benefícios de deixá-lo.


O tabagismo é cobrada uma vida cada 6,5 segundos, sendo as doenças cardiovasculares e o câncer seus dois principais aliados. No caso do câncer, está provado que mais de 40 produtos químicos contidos no tabaco causam câncer, enquanto que o tabaco acelera a freqüência cardíaca, eleva a pressão arterial e aumenta o risco de hipertensão e entupimento das artérias, o que pode causar ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais.


OS RISCOS DO FUMO


Em contra do que se possa pensar, não são o câncer pulmonar e as doenças cardíacas, os únicos relacionados com sérios problemas de saúde e de óbitos. Segundo analisa a OMS em um relatório, as pessoas que fumam têm mais tendência a desenvolver psoríase; fumar pode causar ou agravar várias doenças oculares, como as cataratas, e, além disso, provoca um envelhecimento precoce da pele devido ao desgaste que provoca as proteínas que conferem elasticidade.


O ouvido também é afetado em fumantes , já que o tabaco faz com que se formem placas nas paredes dos vasos sanguíneos, com consequente redução da irrigação do ouvido interno; também provoca uma evidente deterioração da dentadura, tinge os dentes de amarelo e acelera a deterioração dos dentes; os ossos dos fumantes perdem densidade, se fraturam mais facilmente e pode demorar até um 80% mais em soldados; e o consumo de tabaco reduz a resistência às bactérias causadoras das úlceras de estômago.


O consumo de tabaco durante a gravidez aumenta o risco de que o recém-nascido presente insuficiência ponderal e de ter problemas de saúde no futuro, como a síndrome de morte súbita; além disso, pode reduzir o nível de estrogênio, e acelerando, assim, a menopausa. Nos homens, pode alterar a morfologia dos espermatozóides e danificar o DNA, o que aumenta o risco de aborto espontâneo e defeitos congênitos.


Nunca é tarde para deixar de fumar, e é importante lembrar que os fumantes que abandonam o tabaco obtêm benefícios imediatos e a longo prazo. A boa notícia é que já aos 20 minutos, diminui o ritmo cardíaco acelerado e baixa de tensão arterial; dentro das 12 horas seguintes, o nível de monóxido de carbono no sangue diminui até valores normais; e entre a segunda e a décima segunda semana melhora a circulação sanguínea e aumenta a função pulmonar.


Por ano, o risco de doença coronariana é 50% inferior ao de um fumante; aos 5 anos, o risco de acidente vascular cerebral corresponde ao de um não fumador entre 5 e 15 anos depois de parar de fumar; aos 10 anos, o risco de câncer de pulmão diminui até ser 50% do de um fumador, e também diminui o risco de câncer de boca, garganta, esôfago, bexiga e do pâncreas; e, aos 15 anos, o risco de doença coronariana é o de um não fumante.


DICAS PARA DEIXAR DE FUMAR


Os dados mostram que, quando o fumante se lhe informa dos riscos, a maioria quer deixar o hábito, mas poucos obtêm ajuda e apoio para superar a dependência. No entanto, deixar de fumar não é uma tarefa fácil, e há que começar pelo reconhecimento de que é um vício.


Antes de deixar de fumar, assinalam do Ministério da Saúde, há que saber o que lhe fornece o tabaco; ter muito claro o que vai ganhar, pessoalmente, se deixa-lo; saber em que é que consiste a sua dependência do tabaco; como você pode superá-la; planejar como você vai se livrar desta dependência; e reconhecer que a satisfação de lhe fornecer deixar de fumar e poder desfrutar deles.


Um guia publicado pela Saúde e o Comitê Nacional para a Prevenção do Tabagismo (CNPT) amplia esta informação e da 6-chave que podem ajudar na hora de deixar de fumar:


1.- Deve-se descobrir as razões por que continua fumando. Deixar de fumar é uma das decisões mais importantes que você pode tomar para melhorar sua saúde e ganhar qualidade de vida, por isso deve fazê-lo convencido.


2.- Tem que avaliar os benefícios de deixar de fumar. Conheça os riscos para a sua saúde e a dos seus, e como você vai se beneficiar deixar de fumar.


3.- Procurar um plano personalizado. O fumante deve entrar uma data para deixar de fumar, mas antes você deve tomar o tempo necessário para levar a cabo o seu plano, e pense que o que se propõe é o de parar de fumar de uma forma séria e permanente.


4.- Descubra suas próprias habilidades e prepare-se para exercê-los. Trata-Se de recuperar o controle e quebrar as associações automáticas e inconscientes. Para isso, o desenvolvimento de novas rotinas ajudá-lo a seguir em frente.


5.- Identifique apoios e utilize-os. Fale de sua de decisão, de preferência com alguém que tenha superado com sucesso a experiência de deixar de fumar. Se o seu grau de dependência é alto, falei com um médico que possa lhe recomendar as alternativas farmacológicas que mais lhe convém.


6.- Desfrute de suas conquistas. Durante alguns dias, você terá que ficar alerta para não voltar para trás, que deverá enfrentar situações difíceis, que você vai experimentar um certo sentimento de perda, de vazio, por ter se distanciado de algo que lhe acompanhou durante muito tempo.