Alergias alimentares: sintomas e prevenção

O que é uma alergia?


Segundo a RAE, a alergia é o “Conjunto de fenômenos de caráter respiratório, nervoso ou eruptivo, produzidos pela absorção de certas substâncias que dão ao organismo uma sensibilidade especial diante de uma nova ação de tais substâncias, mesmo em quantidades mínimas”. Também é uma “Sensibilidade extrema e oposta em relação a certos temas, pessoas ou coisas”. Em suma, e associando-o aos alimentos, a alergia alimentar é uma sensibilidade ou reação do nosso organismo a determinados produtos.


Como se manifesta uma alergia?


Uma alergia ocorre, geralmente, pouco tempo depois da ingestão do alimento em questão. Costuma apresentar-se como uma reacção cutânea, como pode ser a urticária ou pequenos inchaços ou manchas avermelhadas, inchaço de partes do corpo… se não Se tratar de algum caso especial, ou, na sua ausência, a ingestão de alimentos em mau estado, as reações alérgicas costumam ser de caráter crônico.


Outras reações possíveis são, problemas digestivos, como vômitos ou diarréia, problemas de caráter respiratório como asma, tosse, fechamento das vias respiratórias… A reação mais grave em que se manifesta uma reação alérgica é a anafilaxia, que consiste em sintomatologías em diversos órgãos do corpo, levando a um choque anafilático, perda de pressão arterial, perda de consciência, tonturas, vômitos e diarréia que podem provocar a morte do indivíduo. Apenas se você não reage a tempo e a alergia é muito grave.


Como se pode prevenir?


O melhor é que quando ocorre algum tipo de reação, consulte o médico de família e, posteriormente, ao alergistas para realizar as respectivas provas e verificar quais são os possíveis corpos alergógenos. Geralmente, são realizadas as provas de contacto com a pele e também as de fornecimento oral de alimento e de placebo.


Se ocorrerem intensamente, o indicado é procurar o médico o mais rápido possível para ser tratado.


O conveniente é que, uma vez identificado o alimento que nos provoca a reação, não voltar a ingerir e evitar qualquer receita ou prato que contenha ou tenha podido estar relacionado com tal alimento, ou seja, eliminá-lo da dieta. É a única possibilidade, já que ainda não existem vacinas ou medicamentos que evitam alergias. O que é necessário é um acompanhamento do paciente por parte do alergistas para investigar um pouco mais, caso a caso, já que nem sempre as reações aos alimentos são as mesmas em todos os pacientes.


Alguns dados sobre a alergia


De acordo com grande quantidade de estudos, quase noventa por cento dos casos de reações alérgicas, ocorrem em torno de, apenas, oito tipos de alimentos ou ingredientes que usamos para a nossa nutrição: leite de vaca, peixe e marisco, trigo, frutos secos, em especial as nozes, soja e os ovos.


Também existe a chamada reação cruzada, que consiste em que uma vez se tem reação a um alimento de uma família concreta, pode dar-se o caso de tê-lo para o resto de alimentos da mesma família.


Cabe também destacar que em torno de três ou quatro por cento da população sofre de alguma alergia a determinados alimentos que compõem a nossa dieta diária. Os mais afetados são as crianças, devido ao seu sistema imunológico ainda não está do todo desenvolvido, por isso são mais propensos a este tipo de doenças, que, em certos casos, desaparecem quando são adultos.


A recomendação é que se você tem alguma reação na primeira hora de ingestão de algum alimento específico, consulte um médico e se tratar de identificar a tempo.


I. Lisboa